Páginas

27 junho 2017

Que valor tem um Emprestado?

  Nesta época, à semelhança do passado, deparamo-nos com RECOMPENSAS em forma de EMPRÉSTIMOS.
  Neste ano aborda-se a temática dos jogadores que podem chegar emprestados para ABATER OS MILHÕES de Ederson.

  Irei tentar explanar, com a máxima isenção, mas segundo a minha perspectiva, o valor de um emprestado.

  Do ponto de vista económico:
1º Poupa-se a totalidade ou parte do salário de um atleta.
2º Poupa-se o eventual investimento na aquisição do passe de um atleta.
3º Pode, através do sucesso desportivo, trazer algum acréscimo financeiro em patrocínios, bilheteira, prémios ou merchandising.
4º Pode mesmo assim ter custos pelo empréstimo.
5º Não pode ser contabilizado como um ativo.
6º Qualquer valorização ou desvalorização do jogador será recolhida pelo clube que empresta

  Do ponto de vista desportivo:
1º Garanta-se mais um atleta para preencher um lugar no plantel.
2º Pode-se conseguir colmatar uma posição sem grande investimento (por vezes o mercado não permite mais).
3º É um jogador que está no clube a curto prazo e por isso não pode ser considerado uma solução a longo prazo.
4º Se vier emprestado por uma equipa da Liga Portuguesa não pode jogar contra ela em competições da Liga Portuguesa.
5º Poderá impedir o aparecimento de novos atletas, principalmente jovens por se considerar uma aposta mais segura.
6º No final do empréstimo é necessário colmatar a ausência.

  Da vivência popular:
Faz sentido vender uma casa a alguém que nos dá menos que o valor que ela tem, mas que nos compensa com uma casa emprestada, pagando a conta da luz?
Para onde vamos morar depois?
Onde está o dinheiro de que abdicamos? A renda que poupamos e a conta da luz chegam para equilibrar isso?
E no fim o alguém que nos comprou a casa fica com duas e nós com zero.

Faz sentido vender um carro a alguém que nos dá menos que o valor que ele tem, mas que nos compensa com um carrito emprestado, pagando a troca do óleo?
Em que carro vamos andar depois?
Onde está o dinheiro de que abdicamos? A renda que poupamos e a conta do óleo chegam para equilibrar isso?
E no fim o alguém que nos comprou o carro fica com dois e nós com zero.

  A minha visão sobre o jogador emprestado:
1º O último recurso para quem não consegue fidelizar um jogador "próprio" - um remendo.
2º Num negócio destes o empréstimo só deve ser considerado como uma espécie de desbloqueio, um extra, algo que nos convença. Um Clube de futebol vive de politicas desportivo/financeiras. Um empréstimo é um mau negócio desportivamente e raramente é um bom negócio financeiramente.

Sem comentários: